<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quinta-feira, novembro 08, 2007
Nada de lamentar e alimentar



Hoje eu tava indo pra TV quando a Zizi gritou no meu ouvido um: “pára de ficar rolando tempo, lamentando e alimentando dentro a ferida do tormento...”
Putz! Parei. Coloquei no repeat e fui escutando a danada da poesia do José Miguel Wisnik até entendê-la. Ela serve pra mim, pra você, pra todo mundo que engancha num determinado ponto da vida, achando, como um burro quando empanca, que daquele ponto não dá para seguir em frente.
Eu tava assim “isturdiinha” (outro dia desses, traduzindo o piauiês). Mas passou. Um anjo bom botou luz na minha frente e eu ando num trote bonito que tá danado. Galope agora não. Deixa eu pegar o gosto pela cavalgada.
Agora, vou esticar o corpo. Hoje, o dia foi dureza. Até perseguição policial para a captura de fugitivo da polícia eu fiz, acredita? Em compensação, furei TODOS os meus colegas. No jargão jornalístico, quer dizer: só eu dei a matéria. Chato, né? Rsrsrsrsrsrsrsrs
Olha a música da Zizi aí! Prestenção na letra:

“Desce desse galho em que te escondes
Sai desse céu sem ninguém
Onde não vês luz nem horizontes
Onde não vês nada além.
Pára de ficar rolando tempo
Lamentando e alimentando dentro
A ferida do tormento.
Também sei a dor de que te poupas.
Sim, o mundo é cruel
Mas eu te pergunto, com que roupas
Vai contracenar o teu papel?
Pára de ficar rolando o tempo...
Da cilada má, dá trama e a rede
Que destino armou pra ti
Tu fizeste a cama, o colchão e a parede
Do teu próprio quarto de dormir
Pára de ficar rolando o tempo...
Já não há o que, de que, com que
Que te resguarde Joga a tua carta, enfim.
Antes do acaso arder, antes que tarde
Antes do verão ter fim.
Não vou prosseguir nesta toada
Não vou insistir, dizer mais nada.
Deixe que te diga o vento
Pára de ficar rolando o tempo...”
P.S.: Aniversário do Notícia da Manhã. A foto foi feita numa das minhas "aparições"! Também faço parte dessa história, ora!
postado por Anucha Melo @ 7:25 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial