<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
domingo, outubro 21, 2007
Dos atalhos e dos caminhos...



Antes de postar o último post, conversei muito com um colega de msn sobre esse lance de caminhos e atalhos e tal... e esse papo rendeu um mail muito bacana com uma história linda sobre percorrer o caminho para admirar o verdadeiro sentido da paisagem. Segundo ele, “...caminhos e atalhos levam para o mesmo ponto, mas existe uma diferença muito grande entre quem chega por um e aquele que chega por outro.” Ele tá certo! Quem vai pelo caminho, chega mais rico. Certamente.
O meu colega relata uma história legal de aventura. Muito mais uma aventura da alma, que a própria descoberta de um caminho. Ele fala: “Conheci primeiro o atalho e depois trilhei o caminho”. E essa oportunidade todos nós deveríamos no dar. Buscar o trajeto mais difícil, mais cheio de altos e baixos para se chegar no ponto almejado. Esse deve ser o caminho da vida da gente. O problema é que a gente se perde nas lateralidades, nos atalhos e acaba perdendo o prumo, né?

“A vida às vezes não nos dá essa oportunidade. Quando isso acontece, temos que ter a sabedoria de sentir aonde nossos pés estão nos levando: pelo caminho ou pelo atalho? Sem querer julgar a sociedade que nos cerca e nos envolve, tenho a nítida impressão de que ela vive apenas em busca de atalhos. Quando os encontra, constata realmente que é um atalho e o percorre até alcançar o ponto de chegada. O erro dessa sociedade é pensar que, por ter alcançado o ponto final, trilhou o verdadeiro caminho. Este, no entanto, está ali, virgem, esperando pelos passos de uma minoria que, muitas vezes, acha que está perdida ou em desvantagem apenas porque vê cada vez mais gente chegando falsamente na sua frente.”
(R.S.A.)

Final de semana puxado esse meu. Sexta, depois do programa Viva Piauí (que, cá pra nós foi um sucesso total e absoluto, graças a Deus!), saí com a Kaká e o Paulinho. Primeiro, bar da Dandinha. Banda Acústica, tudo de bom. Depois, fomos pro Raízes. Gramophne e Validuaté. Sábado, Planeta com Kaká pro Oi Blues by Night. Mesa animadíiiiiiiiiiiissima. Noite ótima. Domingo, canseira total. Só saí de casa pra pegar a Gaya no canil. Maria voltou. A vida volta a normalidade. Nessa semana, voltar á academia é urgente e imperativo. Me cobrem. Eu me cobrarei todo santo dia.
Aí, pra arrematar, a Lya Luft me define mais uma vez. Pra variar... Afinal, a gente sempre sai ganhando de todo caminho percorrido.

“Caminho pelas minhas perdas
que são insetos escuros.
E os meus ganhos: douradas borboletas”.
(Lya Luft)
postado por Anucha Melo @ 6:36 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial