<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quarta-feira, outubro 17, 2007
Sou afoita pra vida!



"Muita coisa melhora quando a gente dorme..."
Nada mais sábio. E foi dito aqui nos comentários do post anterior pela Juliana, que você pode conhecer aqui, ó: Simples Lapso .
Acho que é isso mesmo. Quantas coisas não resolvi depois de uma boa noite de sono? E, certamente, resolvi mais uns pontos frouxos em mim nesses últimos dias. Me enchendo de gás pra mais. Sim, porque, mesmo tendo levado uns coiós via e-mail de uma amiga querida, eu estou muito disposta a continuar vivendo em busca do novo, do que eu não conheço e desejo conhecer. “A novidade é o máximo do paradoxo estendido na areia...”, já diz o Herbert Viana, né?

Aí, povo, volto a recomendar a Vida Simples e seus ensinamentos a cada página. Na última edição, que parece ter sido escritinha pra mim, li uma Sandra Chemin navegando sobre o simples e o complexo de uma forma que me deixou babando:

“Um constante pendular tece a minha vida, fio a fio entre o simples e o complexo, o inusitado e o cotidiano. Devagar surge a realidade como uma teia daqui para ali na tensão certa, nem muito esticada nem muito frouxa”.

Essa inconstância de que ela fala é uma tônica da minha vida. Já falei inúmeras vezes aqui sobre a gangorra emocional pela qual passeio a minha vida toda. Quem me conhece a fundo saca bem isso e me compreende. Isso não quer dizer que sou daquelas pessoas “de lua”. Nada a ver. Apenas caio aqui e levanto ali, com a plena consciência dessa espécie de bipolaridade. Um dia falaremos mais disso... (deixa eu terminar de ler o livro da Marina W.) E vamossimbora!!!

Sim, mas... o que diz a Sandra é, de alguma maneira, corroborado (pelo menos, pra mim) pelo o que relata o Caco de Paula, quando trata tão bem dos retornos que precisamos fazer na vida para aproveitá-la ainda melhor.
Sempre quando escolho um caminho, como diz ele, procuro “explorar uma possibilidade na paisagem”, conhecer um desvio aqui que poderá (ou não) me levar para um lugar ainda mais surpreendente. Caco arremata: “sempre que escolho um novo caminho a seguir procuro percorrê-lo mais com a alegria de uma criança de 10 anos que com a desconfiança dos quarentões”. É com o entusiasmo da criança que eu quero ir. Sempre que vou por um atalho. Claro, o entusiasmo meio ingênuo, com a dose certa de sabedoria da própria maturidade. Buscando ser generosa comigo mesma. Se não sorrir no final, valeu a paisagem do caminho!

Quero deixar claríssimo que a minha felicidade (nem a de ninguém... assim, eu acredito!) não pode ser retilínea, nem constante. É de momentos. Construídos aqui e ali. Se digo “estou feliz”, quero dizer: “esse momento está me propiciando estar alegre, pra cima, energizada”. Não importa muito se bem ali na próxima esquina eu vou cair num abismo abissal. Claro que, quando a gente cai, tem aquela legião que diz quase em coro: “eu não falei? Eu te disse que não ia dar certo...” Mas aí vem aquela reflexão básica que todo mundo, eu, você e quem mais chegar deve fazer no momento da escolha entre trilhar por um ou outro caminho. “Às vezes, há uma razão para que uma estrada seja menos trilhada”, disse Jerry Seinfeld. O lance é ficar de olho e buscar enxergar as pegadas de quem já passou. Os passos menos vacilantes são aqueles que levam às melhores trilhas.

Tudo isso, minha cara amiga que eu amo, respeito e quero muito bem, é porque o que você me disse no mail bateu forte lá dentro de mim. E ecoou. Sabe por quê? Porque a minha auto-estima é um troço complicado pra mim. Tenho a tendência a dar muita atenção à opinião dos meus “chegados”. E isso acaba me levando a uma montanha-russa de emoções. Aí, depois do que li no mail dei uma caída básica. Precisou eu reler a matéria especial da Vida Simples sobre AUTO-ESTIMA, que diz uma coisa tipo assim: “Algum grau de tristeza e desconforto diante de uma avaliação negativa é fundamental para que possamos melhorar como ser humano”.
Tenho certeza que depois da caída e da “avaliação negativa”, sou um ser humano melhor!


P.S.: Um brinde ao Programa Viva Piauí de Todas as Paixões, que vai ao ar nesta sexta-feira, Dia do Piauí, na TV Cidade Verde, das 10 horas da manhã às 3 horas da tarde. O brinde é com suco de melancia tomado na fazenda Malha D'Alta, do Dr. Juarez, o Rei da Melancia, em Barras, durante a expedição pelo Rio Longá!
postado por Anucha Melo @ 10:04 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial