<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sexta-feira, outubro 12, 2007
Dando gargalhadas na cara da dor



Aprendi essa expressão com uma mulher que eu admiro muito. A Rosalina. Aliás, não sou de admirar mulheres que não tenham frente à vida uma atitude de enfrentamento, de coragem, de luta sempre. Tive o melhor exemplo dentro de casa. Minha mãe, a Corrinha. Eita mulher de fibra! Daquelas que Deus quebra a forma depois de fazer.
Pois sim...
Voltemos à expressão... Ontem, eu gargalhei e gargalhei muito na cara da dor. Não era lá um riso autêntico meu. Tinha um ar de fake nele. Mas era preciso. Não me admitiria ficar em casa remoendo coisas dentro de mim, chorando ou tentando explicar por quês. Qual o quê!?
Tinha que ir para a toca do lobo mesmo. Correr o risco de encontrar na primeira esquina e passar impávida. Como eu fiz. Acenar com cabeça, dar o riso mais sem vontade do mundo e ainda responder sem nenhum compromisso à provocação: “A GENTE PRECISA CONVERSAR!”
Frase, aliás, que eu ouvi trocentas vezes nesses últimos três meses. E que a mim não me diz nada. Nunca disse e nem vai dizer. Porque eu não quero mais ouvir. Cansada, sabe. De esperar que coisas aconteçam. De querer que a vida desemboque num sonho. De sonhar que as pessoas superem às minhas expectativas. De idealizar irreais expectativas.
Mas, a Kazinha tem razão. “Há tantas pessoas especiais!”, parafraseando a Vanessa da Mata. E, ontem, ela e o Paulinho Gurjão foram as melhores companhias que eu poderia ter. Bebemos, Cantamos, dançamos e jogamos o mesmo jogo. Nós três precisávamos dessa força um do outro. E cumprimos bem nosso papel. Obrigada, Elísia! Obrigada, Paulinho! E obrigada a Deus por sempre botar e trazer de volta gente do bem na minha vida.
"Vamos começar
Colocando um ponto final
Pelo menos já é um sinal
De que tudo na vida tem fim
Vamos acordar
Hoje tem um sol diferente no céu
Gargalhando no seu carrossel
Gritando nada é tão triste assim
É tudo novo de novo
Vamos nos jogar onde já caímos
Tudo novo de novo
Vamos mergulhar do alto onde subimos..."
(Paulinho Moska)
postado por Anucha Melo @ 9:23 AM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial