<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, maio 08, 2007
"Nenhum caminho possui uma só direção..."



Esse é um trecho da música “Um Lugar”, da Madame Baterflai. Banda do Hermano Medeiros. Um ex-namorado que eu quero muito bem. Aquele que foi mote dos escritos iniciais desse blog... Na verdade, do primeiro blog.
O que existe hoje? Não é mais amor. Não mesmo. É um carinho incondicional pra vida inteira. Não importa se a gente não seja mais próximo. São as contigências da vida. Que a gente só engole e ponto final.
Fui ao show de lançamento do segundo CD “Senhora ou Senhorita?” dessa banda que eu vi crescer. E ali, de cara, cantarolei dentro de mim aquela do Toni Garrido: “... você não sabe o quanto eu caminhei pra chegar até aqui...” É. Aquele público que estava lá... os fãs, os amigos, a família, namoradas, ex-namoradas, esposa... sabiam, sim. Uma trajetória bonita, cheia de convicções inabaláveis.
Acordei no dia seguinte com a expressão “maturidade musical” ao lembrar do show. E qual não foi a minha surpresa ao ler exatamente isso na matéria que a Biá Boakari fez pro O Dia no sábado. E que só li na segunda.

P.S. Básico: Aliás, foi importantíssima, Biá, a sua companhia ali. Cumplicidade. Passo importante para a admiração, que leva ao começo de uma boa amizade. (Tomara que eu tenha a sorte!)

Viajei no show. Músicas que eu sabia de cor. Outras que aprendi a curtir. Letras que fazem sentido. Vidas retratadas com a singeleza de dois poetas brilhantes: os manos Gabriel e Hermano. Tenho o maior orgulho deles. O Dani, como sempre, fez a gente babar com sua batera enlouquecida. A boa surpresa: Xico Vai e sua guitarra absolutamente “colocada”. O CD tá lindo. Recomendadíssimo. Valeu a pena esperar!

Uma emoção especial... ver e tocar a filha dele com a Mariana. A Lis. Uma princesinha com a carinha de um e o narizinho do outro. Linda! Meiguinha e encantadora. Legal ver que a união deles transformou amor em vida. Emocionante falar disso. Porque não me dói. Ao contrário, me dá a certeza de que as escolhas que a gente faz na vida são, na maioria das vezes, o melhor pra gente. Muito bom ver aquela família feliz. Sinceramente, gostaria de poder dizer isso a eles. De coração.

“As chaves do destino são sete escolhas e todos os riscos. Que você deve correr...”
(Madame Baterflai)


P.S. Final: Passem aqui. Tem umas fotenhas bem legais de gente bem legal! O Serginho Donato, por exemplo, meu DJ preferido. Uma criatura inteligente, sensível, doce e amiga. Adoro ele!
postado por Anucha Melo @ 9:00 AM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial