<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, abril 10, 2007
Um pequeno imprevisto




“Eu quis querer o que o vento não leva
Pra que o vento só levasse o que eu não quero.
Eu quis amar o que o tempo não muda
Pra que quem eu ame não mudasse nunca.
Eu quis prever o futuro,
Consertar o passado,
Calculando os riscos bem devagar.
Ponderado.
Perfeitamente equilibrado.
Até que um dia qualquer
Eu vi que alguma coisa mudara.
Trocaram os nomes das ruas
E as pessoas tinham outra cara.
No céu havia nove luas
E nunca mais encontrei minha casa.”

Já aconteceu isso com você, com certeza. Você compra um cd, ouve de cabo a rabo, gosta de duas ou três músicas e... um dia... você escuta uma determinada música num determinado momento e... tchan tchan tchan tchan... a música parece perfeita pra você naquele momento!
Pois é. Essa música aí de cima é do cd da Luiza Possi. Já falei dele aqui. A poesia de Herberth Viana na voz doce da filha da Zizi me tocou profundamente agora. Agorinha mesmo. Enquanto tomava um banho demorado depois da aula relaxante de yoga. Essa música diz muito de mim hoje. Fala por mim.
É verdade que me sinto “fora de casa” estando distanciada de uma vida que foi minha até dia desses. A gente se acostuma, sente saudade até. Mas isso não me dói. Absolutamente. Me faz ponderar sobre as atitudes de hoje que vão me levar a uma casa nova, sustentada em alicerces mais resistentes, “perfeitamente equilibrados”. Coisas do amadurecimento...
Vida é isso. Superação de obstáculos. E até dentro da gente existem obstáculos. E esses parecem até mais difíceis de transpor. Mas basta que a gente se determine. Basta que exista um compromisso claro e forte. Depois, é partir pra luta. Uma luta que começa cá dentro e continua aqui fora. Mas não termina nunca.
Desculpa aí, viu, gente? Essa ausência é injustificada. Nem mesmo a canseira da viagem eu posso usar pra argumentar por que não atualizei as coisas por aqui. Fica o meu próprio protesto. Preciso me disciplinar mais. Vou cuidar disso.
Ah, por falar em disciplina... só pra controle... exercícios, yoga e melhors hábitos alimentares surtiram efeito. Três dígitos foram pras cucúias. Daqui até julho, mais uns oito vão se mandar também. Tenho fé, tenho vontade, tenho disposição. Já basta!

P.S.: Feriado de Páscoa – bom ter ido à Batalha, bom ter ficado na casa do Tio Célio e Pauline, bom ter levado a Gaya, bom ter estado mais perto dos meus afilhados Dedila, Célio Jr e Ariane, bom ter dormido mais que farreado, bom ter adiantado a leitura dos meus livros, bom ter acordado cedinho pra ver a neblina cobrindo o pasto, bom ter ouvido música, bom ter comido o caruru da Tia Nau, bom ter tomado uma cervejinha com o Tio Célio e o Tio Totonho.

Mais um P.S.: A foto foi na volta de Batalha (na Páscoa). A Gaya sossegadinha no meu colo. Detalhe: eu tava dirigindo. Mas, juro, com muito cuidado.
postado por Anucha Melo @ 9:47 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial