<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quinta-feira, março 22, 2007
Sim, eu dei Ctrl + C e Ctrl + V...



... mas eu pedi autorização. E ela me concedeu gentilmente. O texto abaixo são excertos do post da Jana de hoje. E eu me li ali. Por isso, trouxe pra cá. Acho que é exatamente o que eu queria dizer e não tava sabendo como. É bom ler alguém escrevendo sobre as nossas angústias sem que nem precisemos expressar um “ai”.
Ando assim, como a Jana, “sem tempo pra embolação”. Com muita vontade que a vida me mostre as coisas e as pessoas mais simples. Para que eu possa, simplesmente, continuar vivendo do meu jeito simples. E feliz!

“Eu acho que quanto mais o tempo passa, mais exigente ficamos. E eu acho que esse ‘mais exigente’ chegou pra mim talvez cedo demais...
Eu não tenho mais paciência, pra baladas, ao menos não no ritmo de antes, sem saco algum pra tentar descobrir se ‘ah, pode ser que seja ele’ é realmente ele. Antes, eu via as qualidades e depois encontrava os defeitos. E aí, já envolvida, achava até os defeitos bonitinhos. Hoje, eu vejo os defeitos a quilômetros de distância, e dependo de quais forem não perco meu tempo pra tentar ver as qualidades. Falta de paciência? Rabugice? Que seja. Acho que apenas um certo grau de exigência não anda fazendo mal a ninguém. Pra rolar agora, eu tenho que bater o olho, me apaixonar, ver defeitos e qualidades e mesmo assim achar ‘é esse’. Nada de ‘poderia ser esse’, ‘com algumas mudanças até dava pra ser esse’ ou ‘será que é esse?’. Tenho que ter certeza que ‘é esse’, e pular toda aquela parte do ‘eu gosto de você, mas vou fazer um certo charme’, dos joguinhos sentimentais, e ir direto ao assunto: ‘Você me quer, eu te quero’. Pronto. É assim, simples. Só falta-me encontrar quem eu queira e quem me queira. Aí fica simples.
Eu sei, além de mais exigente, me tornei chata. Mas uma chata que não fica aí perdendo tempo com embolação. Ok. E uma chata bem interessante...”

Pois é. É desse jeito. Entendeu agora por que estou há um ano sem um namorado? Pode dizer que eu estou sendo muito exigente. Mas, sabe o que é? É que eu tenho certeza de que EU VALHO A PENA. E, não é por nada não, mas... EU MEREÇO O MELHOR!
“Tô mentindo, Terta?!” (Lembra do Chico Anísio “vestido” de Pantaleão?)
P.S.: Eu toda pronta pra inauguração do Planeta Diário e a Gaya deu um acesso de mordelância...
postado por Anucha Melo @ 1:08 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial