<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, março 05, 2007
Não percas o agora!



Vixe... essa frase foi mesmo que um tapa na minha cara pra eu acordar da anestesia em que eu estava. É que a gente leva uns baques, que desmantelam a gente, né? Mas é porque a gente deixa, ora. Tudo tá na mente. Na forma que a gente reage. Nunca duvido disso.
Sim, mas a frase tá no livro “Pescadores da tribo”, do meu queridíssimo, instrutor de yoga e pensador da maior grandeza. Ele relata numa crônica que “boa parte da nossa vida entregamos a coisas sem importância”. E foi por isso mesmo que resolvi que as coisas que tem importância pra mim são as relacionadas com as pessoas que eu quero bem e que me querem um bem verdadeiro. Não vou perder meu tempo com o que não me acrescenta. Ao contrário, me consome.
Minha gente, o Rogério me instigou ainda mais quando ele lembra Thoreau: “... precisava, deliberadamente, defrontar-me apenas com os fatos essenciais da vida e ver se podia aprender o que tinha a me ensinar”. Com o perdão da expressão... PUTA QUE PARIU! É muito bacana essa reflexão, hein? Volta lá. Lê de novo. Agora, me diz se isso não é lindo! E é exatamente assim que eu me sinto hoje. Aprendendo o que tenho a me ensinar!!! (Com todas as exclamações a que tenho direito, ora pois.)
Hoje, fiz uma coisa que me deu muito prazer. Saí com uma colega de trabalho, depois do trabalho, pra comer pizza e conversar sobre amor, dar uma nova chance para o amor, acreditar na possibilidade desse amor. Me vi rememorando minhas histórias de perdas e ganhos no amor. Vidas que vivi. Que chorei e que sofri. Mas vivi, fiz a minha história. E tava ali contando pra ela. Pra dar a força que ela precisa para se desvencilhar da incerteza do amor. Saber o que é e o que não é amor. Só pagando pra ver. Dando a cara a tapa pra sofrer. E já se viu forma mais enriquecedora de aprender do que no sofrimento? Eu que o diga.
Minha linda, essa é pra você!

“Depois de te perder
Te encontro com certeza
Talvez no tempo da delicadeza
Onde não diremos nada
Nada aconteceu
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu.”

(Chico Buarque)
P.S.: Tem foto nova aqui www.anuchamelo.fotoblog.uol.com.br
postado por Anucha Melo @ 9:42 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial