<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sábado, março 03, 2007
A ausência é um estar em mim...



Sexta de noitinha: casa da Tyci para mais um abraço carinhoso,mais um beijo de “acredito na sua garra, acredito no seu sucesso”, encontro com coleguinhas jornalistas, reencontro com Daniela Donaela, cervejinha e coisa e tal. Vai ficando mais apertada a saudade da Tyci.
Quase meia noite: show da banda Capim Cubano (Paraíba) tudibom no Giramundo. Turma mais que boa: Cacha, Claudinha, Educardo, Zeca, Lis, Geysa e Meire. Putz! Como a gente “cessou e peneirou”, viu? Macaquices, macacadas, danças malucas, alegria e muita esculhambação. Me diverti como há muito tempo não acontecia. Faltou a Telminha, que me deu um ”não” e preferiu ficar em casa.
Hoje um da tarde: Sayô veio almoçar aqui em casa. Frito de capote, maminha assada na grelha, saladinha e um feijão branco como só a Maria sabe fazer. (Pode babar. Tava muito bom mesmo!) Mas, sim... ficamos na cama, eu, ela e a Cacha, conversando enquanto a comida ficava pronta. Vixe, mas foi legal demais. Valeu, Sasá, pelo presente de estar aqui em casa com a gente! Aprendemos muito, lucramos muito também.
Agora? Bem... sábado à tarde. Nada pra fazer. Também sem muita vontade de fazer nada. É uma vontade de só ficar em mim. De fazer morada em mim. Uma sensação bacana até. Ontem, encontrei com o Álvaro Luís, meu colega jornalista querido, no The Shopping. E ele: “como está o coração?”. Eu: “livre e tranqüilo”. Ele retrucou: “isso é uma coisa que não se explica e não se aceita; uma pessoa como tu sozinha”. Aí, a leonina idiota aqui saiu com essa: “deve ser porque eu não valho, ora!”. Mas só... Claro que valho, que presto, que sirvo. Se estou sem alguém pra dividir os sonhos, é porque alguém ainda não está no ponto pra mim. Nem eu pra ele. Mas ele existe. Não sei quem é. Mas vai chegar quando eu menos esperar. Como todas as coisas que são do bem acontecem. Nem me estresso mais.
Enquanto isso, (na sala de justiça. kkk)... eu fico na companhia de quem sabe dizer o que eu quero dizer e não disse.

AUSÊNCIA
“Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
Que rio e danço e invento exclamações algres,
Porque a ausência, essa ausência assimilada,
Ninguém a rouba de mim.”

Drummond
P.S.: Gaya e eu: a transformação de um lindo caso de amor incondicional.
postado por Anucha Melo @ 3:28 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial