<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
domingo, setembro 09, 2007
O poder do silêncio



Sempre fui adepta do “quem sabe faz a hora”. Mas, existem situações na vida da gente que nos forçam a mudar de postura. Agir mais “pianinho”. Ao sabor do vento. E, melhor ainda, ao gosto do tempo.
Me encontro assim hoje. Me dedico ao novo de maneira enigmática e nada ansiosa. Não mais. Sigo levada pelas circunstâncias. Vivo a cada minuto. Sem contar quantas voltas o ponteiro do relógio vai dar até que eu sorria de novo. E, acredite, estou feliz assim. Não me assombro mais.
Uma hora aqui, outra acolá. Vou me abastecendo da novidade. Aguardando, mansa, a próxima cartada do destino. E, sem que eu espere mais, ela vem naturalmente. Sem que eu mexa os pauzinhos. Sem a minha interferência. Sem que eu precise tornar as coisas mais fáceis, mais simples.
Nada fácil é bom. Disso eu sei. Damos mais valor o que é conquistado com certa dose de dificuldade e até algum sofrimento. Mas, hoje tenho sentido cá na pele essa sensação mais viva. E tenho valorizado isso de verdade. Sem esperar que isso seja algo definitivo pra mim. Mas tendo a clareza de que é necessário ser vivido da forma com que se apresenta.
Vamos à vida, pois!
Um pouco de Pessoa na pessoa...

"Não sei quantas almas tenho.
A cada momento mudei.
Continuamente, me estranho.
Nunca me vi, nem me achei.
De tanto ser
Só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma...”

Depois daquele post que deletei, decidi me manter mais quieta. Não que eu vá me isolar daqui. Não é isso. Mas vou me preservar mais. E, claro, algumas coisas da minha vida só interessam mesmo a mim. Então, pra não perder o costume... deixo você com essa que bem que essa do Chico podia ser a trilha sonora desse post.

“Depois de te perder
Te encontro com certeza
Talvez no tempo da delicadeza.
Onde não diremos nada
Nada aconteceu
Apenas seguirei como encantado
Ao lado teu...”
postado por Anucha Melo @ 10:45 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial