<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quinta-feira, agosto 30, 2007
"Outra realidade pra anestesiar..."



"De onde vim?
Pra onde irei?
Não sei
Nada está no mesmo lugar...
Eu daqui, você de lá
Encontros virtuais todo dia
Já nem sei no que vai dar
Nossa paisagem nova, pop filosofia..."

Tenho ouvido muito Paulinho Moska nesses dias. CD que a Paulinha Danielle me deu. E eu, cá, sugestionada pelo meu interlocutor cibernético. Sim, orkut e msn, algumas vezes nos aprontam boas surpresas. Às vezes, nos "tchaus, até amanhã", dá vontade de dizer: "... não, não fuja não. finja que agora eu era o seu brinquedo, eu era o seu pião, o seu bicho preferido..."
Nãn. De jeito nenhum. Como dizem os paraenses: "Mas quando!"
Ontem, programinha dos bons: VTS com Cláudio Barros e Drica. Juntaram-se a nós, Vitorino Fernandes e Álvaro Mota. Política, insegurança pública, música e poesia. Bons temperos para acompanhar nossa cervejinha e o delicioso peixe do VT.
Hoje, encontro com amiga querida. Nossas vidas. Mas, muito mais a minha vida na berlinda. Como sempre, ela me lê direitinho. E saio mais confortada, mais confortável. Depois, passada rápida no Cabaré do Marquim... só pra controle!
Fechando aqui com outra do Paulinho Moska, que me lembra muito a minha Corrinha. Mas também tem muito de mim. Dessa vez, me fez refletir no quanto eu preciso me perder desse comportamento. Para dar lugar a uma calmaria necessária. E feliz.

"Quando a âncora do meu navio encosta no fundo, no chão
Imediatamente se acende o pavio e detona-se minha explosão
Que me ativa, me lança pra longe pra outros lugares, pra novos presentes
Ninguém me sente..."
postado por Anucha Melo @ 11:08 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial