<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quarta-feira, agosto 15, 2007
Abraçando Teresina




Tenho saudade de um tempo em que jogávamos vôlei, eu e meus amigos, à noite na Praça da Alegria.
Hoje, não dá mais.
Saudade de vir a pé depois das 9 da noite da aula de natação, caminhando pela Jockey Clube, sem nenhuma preocupação com a violência.
Dá mais não.
Tempo bom foi aquele em que ficávamos no sereno das festinhas, conversando, namorando, sem sobressalto algum.
Nem pensar.
E quando pegávamos carona na porta do colégio para voltar pra casa. Na boa, sem receio. Todo mundo era do bem.
Irrealidade no presente.
Tão bom ver as vovós e vovôs com as cadeiras na porta da rua, contando causos, rindo das travessuras dos netos, vivendo feliz.
Raros são os cantos em que ainda vemos cenas assim.
O que eu quero dizer com tudo isso? Que eu amo minha terra. Não nasci aqui. Mas moro nesse chão com o sentimento de posse de quem se abancou pra sempre.
E por que lembrar disso que dá angústia? Pra dizer o quanto eu acredito que estamos construindo um lugar melhor pra se viver. Não creio que “tudo vai voltar a ser como antes”. Mas as mudanças que essa cidade está sofrendo são profundas e seguras. Mesmo sendo parte da estrutura administrativa, me sinto cidadã e livre o suficiente para admitir... o que está sendo feito por essa terra e essa gente é a maior obra que se tem notícia.
Teresina está mais viva. Mais bonita. Mais alegre. Mais feliz. E nela eu deposito minha alma de teresinense. De alguém que ama esse lugar e que não tem a menor vontade, nem vocação para pensá-lo longe. Quero viver os meus dias nessa cidade de gente afetuosa, de sorriso largo, de braços abertos. Quero seguir construindo aqui a minha felicidade. Quero encontrar aqui o meu amor. Quero criar aqui os meus filhos. Quero contar aqui histórias para meus netos. Quero fechar os olhos aqui, mas antes quero ver o pôr-do-sol mais lindo do planeta. O pôr-do-sol de Teresina.
Essa é minha carta de amor à Teresina. Que não chega nem aos pés da bela poesia feita pelo Cineas e musicada pelo Erisvaldo, o Hino de Teresina:

"Verde que te quero ver-te!
Verde que te quero glória,
Ver-te que te quero altiva,
Como um grito de vitória!”

P.S.: A Teresina que quero vai estar estampada no programa especial que a TV Cidade Verde vai apresentar nesta quinta-feira de 10 às 15 horas. Mais uma superprodução. Mais um esforço coletivo de uma equipe maravilhosa. Mais um motivo para eu me orgulhar do meu trabalho, do local do meu trabalho e dos meus colegas.
postado por Anucha Melo @ 10:03 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial