<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, julho 23, 2007
Mais uma irmã... brindamos com café!



Acho que Deus quando “cria” a gente sai espalhando nossas almas gêmeas pelo mundo. Como se espalhasse sementes...
Aí, se temos sorte, esbarramos com nossos irmãos de alma. Se somos mais abençoados ainda, nos encontramos cara-a-cara. E, se Deus gosta bem muitão da gente, com certeza, esse esbarrão sedimenta uma irmandade para além-mar. Além qualquer distância. Geográfica ou emocional.
Ontem, domingo, eu conheci uma irmã de alma. Mais uma, graças a Deus. Lela. A Lelamiga de quem já falei ene vezes aqui. Uma criatura iluminada, que tem alumiado minha vida há pouco mais de dois anos. Desde que ela começou a freqüentar meu blog (o primeiro blog www.anuchamelo.blog.uol.com.br) e eu a visitar o blog dela. Uma amizade vem se firmando. Descobertas vão nos aproximando. E, ontem, nos demos o presente de nos vermos. Salvador Shopping, 17h40, Lucca Café, na roda + Júnior, Marta e Lucas. O tempo correu. Saímos de lá quase 10 da noite. E não havíamos conversado nem a metade do que programamos ou do que nos devíamos.
Entreguei os presentes que mandaram do Piauí e deixei com Lela um anel de prata e opala, que trouxe comigo de Pedro II. O engraçado é que desde que o coloquei no dedo algo me dizia que ele não era meu. Maktub! Era para ser da Lela!
Ao final, o abraço pareceu ter um som: saudade!
Combinamos estreitar mais os laços. Marcamos um possível carnaval de novo em Salvador. Mas, o que ficou mesmo é a certeza que essa história não começou aqui. Como ela mesma diz: “Nós não nos encontramos agora pela primeira vez. Nós apenas nos reencontramos”.
E eu acredito nisso.
Hoje, um amigo muito, muito querido veio me ver aqui no apê do meu pai. Marcamos uma saída, prum chopp, boas horas de conversa e de relembrar o passado feliz.
Verde é a esperança...
Amarelo é a alegria...
Azul é o mar da Bahia...
Branco é a minha paz!


P.S.: Só pra controle... fui assistir a um show da banda Faustão 80, no Bahia Café, sexta passada. E, escrevam aí: eu ainda vou levar essa banda pra tocar aí! Peguei contato, fiz fotos, vou pegar o Cd, já contactei a Rosalina Ferreira (leia-se: Marcos Peixoto) e, como diz meu pai: “Vamos conchavar!”
postado por Anucha Melo @ 12:26 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial