<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sexta-feira, julho 03, 2009
Não existe nada igual!



O cheiro da pele e até do hálito. O quente das mãozinhas e também do sangue que corre nas veias. O som do mãm-mãm e do pá-pá e do riso fácil. A visão da madrugada de todo dia, do acordar chamando a gente fazendo caretinha.
A mãozinha que pega o meu dedo buscando apoio para os primeiros passos. O olhar meio riso, meio choro quando saio para o trabalho. A novidade de apontar pra TV dizendo "Bá-bú", imitando o som de "rock babiluba", um incidental de Elvis em uma música do Cocoricó.
O calorzinho que passa de mim pra ele e dele pra mim, a cada noite, quando, depois do banho, é hora de tomar a mamadeira pra dormir, deitadinho na rede com a mamãe. A birra pra tomar banho em pé na banheira ou pra subir na mesinha de centro da sala. O choro irritado quando alguém toma o que não deve servir de brinquedo (controles de tv, celulares, chave de carro).
Os olhinhos miúdos de sono, no meio da tarde, depois de brincar até suar. A gritaria quando a mamãe faz cócegas nas costelas. O ninado que ele mesmo faz pra se botar pra dormir... "Hum-lé-hum-lé-hum-lé..." A alegria de ver as cores e as luzes no parquinho ou de bater na água da piscina.
A verdade é essa... Não sei como eu conseguia ser feliz antes disso. Talvez pela esperança de que seria, um dia, abençoada.
Pelo resto da vida, agradeço a Deus. Por ter colocado o Sérgio na minha vida. O Lucas é o melhor prêmio que um casal pode ter.
Quando eu era adolescente, eu cantava essa música e ficava imaginando o amor de um pai que escreve algo assim pro seu filho. Depois de grande, há uns quatro anos, eu vi no dvd que a drica me deu ele cantando pro próprio filho. E me emocionei muito ao lembrar do que eu senti quando ainda nem pensava em ser mãe. E, agora, essa música faz todo um sentido pra mim...
"É só de ninar e de desejar que a luz do nosso amor
Matéria prima desta canção, fique a brilhar
E é pra você e pra todo mundo que quer trazer assim
A paz no coração
Meu pequeno amor
E de você me lembrar
Toda vez que a vida mandar olhar pro céu
Estrela da manhã
Meu pequeno grande amor que é você Gabriel (LUCAS)
Pra poder ser livre como a gente quis
Quero te ver feliz."
(Beto Guedes)
postado por Anucha Melo @ 11:05 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial