<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, dezembro 03, 2007
Que eu continue alerta!



“Abri meus braços pro mundo
Não tô mais sem rumo.
Livrei meu corpo da dor.
Porque chegou a hora de viver um novo amor.
Novo (e verdadeiro) amor!”
Luiza Possi

Gente, ando sem saco pra escrever. Perdoa, tá?
Nada demais. Mas é que uma enxaqueca tem me perseguido os últimos dias. E eu tô sem poder tomar remédio. Aí, fica aquele banzo, cabeça pesada, latejando. E eu tendo que trabalhar normal. Claro.
Mas, não posso deixar de agradecer esse carinhoso despretensioso de vocês. Essa corrente do bem que me abastece e me conforta. Prova disso foi esse excerto do Caio Fernando Abreu, que a Tatá colocou pra mim no orkut. Eu já até havia postado ele aqui há uns dois anos. Mas como sempre é tempo de renovar a vida, a esperança e o amor... trago ele pra cá mais uma vez. Pra mim, isso parace mais uma oração, sabia?

"(...) não sou muito forte, não tenho muito além de uma certa fé...não sei se em mim, se numa coisa que chamaria justiça-cósmica ou a coerência-final-de-todas-as-coisas. Preciso agora de tua mão sobre a minha cabeça.
Que eu não perca a capacidade de amar, de ver, de sentir. Que eu continue alerta. Que, se necessário, eu possa ter novamente o impulso do vôo no momento exato. Que eu não me perca, que eu não me fira, que não me firam, que eu não fira ninguém. Livra-me dos poços e becos de mim...Que meus olhos saibam continuar se alargando sempre..."
Caio Fernando Abreu
postado por Anucha Melo @ 8:24 PM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial