<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d37983758\x26blogName\x3dAnucha+Melo\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://anuchamelo.blogspot.com/\x26vt\x3d5035176595317743179', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quarta-feira, dezembro 20, 2006
Minha tutora-mor



Essa é Cláudia Brandão. Jornalista das boas. Minha professora na graduação. Me tirou do bloco de Telejornalismo pra me colocar em estágio na TV Clube em 1991. Devo a ela esse início profissional e todos os ensinamentos sobre o bom jornalismo. Nos encontramos no café da manhã do senador Heráclito Fortes para os jornalistas. Aí foi aquele chamego. A gente sempre marca de comer um caranga e nunca dá certo. A foto, ambas de óculos escuros, é um protesto ao Magalhães, que ficava frescando com o preto dos nossos escondedores de luz em excesso. Ah, no café, ganhei uma TV de 21 polegadas. Adorei, mas pra falar a verdade... preferia ter sorte no amor! Humpf!!!
Deixo vocês com essa poesia linda de uma banda local, que eu amo de paixão: MADAME BATERFLAI! Essa música é a minha cara...

“Ela sabe que está só
Em certas horas
Isso dói
E como uma criança
Chora um choro
Que parece não ter fim
Estou escondido em suas coisas
Não sei por quê
Deitada ela descansa
E se lembra que é forte
Mesmo assim
Gestos grandes
Enormes
Se opõem ao toque maroto
Tão delicado
De camisola
E no corpo
O calor de um vulcão
Mas certo que palavras
É teu abraço mudo
Selando minh’alma
Brotando a calma
Que insiste em se esconder”
postado por Anucha Melo @ 8:41 AM 





0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial